Imunidade da Infecção versus Imunidade da Vacinação - O que tem de diferente?

Imunidade da Infecção versus Imunidade da Vacinação - O que tem de diferente?

02 de julho de 2021

Imunidade adquirida - infecção ou vacinação?

Uma pergunta que ainda continua sem resposta para os cientistas é a seguinte: quanto tempo dura a imunidade dos indivíduos expostos ao SARS-CoV-2? Por quanto tempo essas pessoas ainda produzirão anticorpos neutralizadores contra o vírus da COVID-19?

Responder essa questão tornou-se ainda mais complicado com o surgimento das variantes de atenção pelo mundo, que podem "escapar" dessa imunidade adquirida, podendo provocar novas ondas da doença.

Uma pesquisa realizada pela equipe de Jesse Bloom, da Universidade de Washington - EUA, pressupõe que a resposta para essa pergunta pode depender de como a pessoa entrou em contato com o vírus, se foi através da imunidade adquirida pela infecção ou pela vacinação contra a COVID-19. As evidências dessa pesquisa apontam que os anticorpos produzidos em resposta a uma vacina de RNAm conseguem neutralizar uma ampla variedade de variantes do SARS-CoV-2 que possuam mutação na proteína spike, enquanto que os anticorpos produzidos após a infecção, não conseguem.

Esses resultados sugerem que a imunidade adquirida pelas pessoas pode variar um diferentes níveis de proteção, inclusive contra as variantes de atenção. E o mais importante: Os resultados dessa pesquisa somam-se às demais evidências de que pacientes recuperados da COVID-19 ainda se beneficiariam com a vacinação.

A equipe de Bloom já demonstrou em estudos anteriores que o receptor binding domain (RBD), uma região específica da proteína spike onde o SARS-CoV-2 se liga, é um importante alvo para a imunidade adquirida naturalmente ou através das vacinas. Em um estudo mais recente, publicado em junho/2021, Bloom e colaboradores estudaram o RBD e suas inúmeras variações, para entender como os anticorpos acertam esse alvo, e se a forma como esses anticorpos foram adquiridos pode influenciar no reconhecimento desse sítio RBD.

Eles coletaram amostras de pacientes vacinados com duas doses da vacina de RNAm da Moderna e de indivíduos não-vacinados que se recuperaram da COVID-19. Enquanto aos resultados, eles encontraram diversas diferenças entre os anticorpos dos indivíduos vacinados e não-vacinados. Especialmente, os anticorpos produzidos pela vacina eram mais específicos para o domínio RBD do que os anticorpos adquiridos pela infecção. Outro detalhe importante, os anticorpos desenvolvidos através da vacinação conseguem se ligar a diferentes porções do domínio RBD, enquanto que aqueles adquiridos através da infecção, não.

O que isso significa?

Esses resultados sugerem que a imunidade natural e a imunidade adquirida através da vacinação diferem na forma que os anticorpos reconhecem as variantes virais. E ainda mais, os anticorpos adquiridos através da vacinação são mais propensos a combater as variantes do SARS-CoV-2, mesmo que ocorram mutações no domínio RBD.

Os pesquisadores ainda não sabem explicar como e porquê existe essa diferença entra a ação dos anticorpos. Em ambos os casos, os anticorpos produzidos são direcionados para o domínio RBD e respondem às proteína spike viral. A equipe de pesquisadores sugere que essas diferenças podem surgir porque a vacina apresenta a proteína viral em conformações ligeiramente diferentes. Outra possibilidade é a de que o RNAm liberado pela vacina, mude a forma como o antígeno seja apresentado ao sistema imune, o que levaria às diferenças nos anticorpos produzidos. E uma terceira alternativa baseia-se no fato de que na infecção, o SARS-CoV-2 é exposto apenas às vias respiratórias (casos leves a moderados), enquanto que através da vacinação, o antígeno é liberado para o músculo, onde fica mais visível ao sistema imune e lhe confere a oportunidade de uma respostas mais intensa contra o vírus.

Infecção X Vacinação - Pontos importantes a considerarmos

O ser humano frequentemente é infectado e reinfectado por vírus que causam um resfriado comum. Mudanças de estação, dias mais frios e úmidos, é comum alguém estar resfriado. Isso acontece porque esses vírus evoluem e conseguem "escapar" do sistema imune, da imunidade adquirida anteriormente. Essa lógica também pode ser aplicada ao SARS-CoV-2.

Porém, diferente dos resfriados comuns, para a COVID-19 foram desenvolvidas múltiplas vacinas diferentes, graças aos esforços da comunidade científica mundial unida nessa batalha contra o SARS-CoV-2. E seja qual for o tipo da vacina, as evidências científicas de pesquisas pelo mundo todo apontam que a imunidade adquirida pela vacinação protege contra as novas variantes circulantes.

A esperança da comunidade científica e de órgãos de saúde é de que a imunidade adquirida pela vacinação seja mais duradoura contra o SARS-CoV-2 e possa representar uma luz no fim do túnel quanto ao fim da pandemia. Os resultados dessa pesquisa de Bloom e colaboradores nos indicam isso.



Esse é mais um estudo e mais uma tentativa nossa de te explicar e de te ajudar a convencer mais e mais pessoas a arregaçarem as mangas e se vacinarem, mesmo que venha já tenha sido infectado com a COVID-19.

A maior esperança e o jeito mais fácil de sairmos desse cenário pandêmico e com o MAIOR NÚMERO DE PESSOAS VACINADAS PELO MUNDO. A vacinação é uma estratégia de saúde coletiva e salva vidas. Além de reduzir a possibilidade de novas variantes do SARS-CoV-2 surgirem e "escaparam" da proteção induzida pelas vacinas que temos disponíveis.



VACINEM-SE!

COMPARTILHEM ESSE TEXTO COM AS DEMAIS PESSOAS.


Vamos juntos levar informação científica e educação em saúde para mais e mais pessoas.



REFERÊNCIAS

Greaney A.J., et al. Antibodies elicited by mRNA-1273 vaccine bind more broadly to the receptor binding domain than do those from SARS-CoV-2 infection. Sci. Transl. Med., 2021.

Collins, F. How immunity generated from COVID-19 vaccines differs from an infection. NIH Director's Blog, 2021.


 

Marissa Schamne
Marissa Schamne
PhD | Cientista

Pesquisadora e professora universitária, farmacêutica por formação. Despertou o interesse pela pesquisa durante a faculdade na Iniciação Científica, que obviamente foi na área da neuropsicofarmacologia. Concluída a graduação, segue o caminho da carreira acadêmica e pesquisa até a co-fundação do Rigor Científico – onde encontrou uma maneira de expressar todo seu amor pela Ciência, e vislumbra a possibilidade de levar essas informações ao maior número possível de pessoas. Era uma pessoa tímida que conforme foi se inserindo no meio acadêmico encontrou uma forma de libertar-se dessa timidez, e agora matraqueia sem parar. Apaixonada pela natureza, esportes ao ar livre e a sensação de liberdade que isso traz. Gosta de viajar pelo mundo, seja através dos livros que lê ou das viagens que faz. Almeja alçar vôos mais altos divulgando ciência por aí.