Como (não) usar sua máscara

Como (não) usar sua máscara

01 de abril de 2021

Máscaras de tecido e cirúrgica

O surgimento de variantes mais transmissíveis e a maior disponibilidade dos EPIs (Equipamentos de Proteção Individual), retomaram as discussões sobre as máscaras. Porém, as tantas informações somadas com as siglas usadas nesse contexto podem confundir.

As máscaras de tecido foram de extrema importância no início da pandemia. Naquele momento, pouco se sabia sobre as formas de contágio e os equipamentos de proteção individual eram escassos, sendo priorizados para os profissionais da linha de frente. Hoje, já sabemos que a transmissão se dá por aerossol, que uma boa vedação é importante e que não é qualquer tecido que filtra de forma eficiente a passagem de gotículas potencialmente carregando o vírus. E o que isso significa? Que a máscara de tecido é desnecessária? NÃO! Ela continua sendo fundamental e uma melhor opção do que não usar nenhuma máscara, lembrando sempre da higienização correta.

A máscara cirúrgica tem a finalidade específica de proteger profissionais da saúde em suas rotinas de trabalho e são descartáveis. Protegem contra a inalação de gotículas e possível fluidos projetados em procedimentos, assim como a propagação de secreções pelo portador da máscara. Essas máscaras não são consideradas EPI ou Equipamento de Proteção Respiratória, ou seja, não são respiradores, somente uma barreira física para cobertura de nariz e boca (assim como as de tecido).

Válvula não!

Os respiradores são os EPIs utilizados para proteção respiratória, especialmente contra aerossóis. Seu nome técnico é peça semifacial filtrante - PFF. São constituídos de materiais capazes de filtrar a passagem de ar, em maior ou menor grau, podendo ainda conter válvulas. A máscara com válvula não é recomendada no cenário pandêmico, pois ela protege somente a pessoa que a utiliza. O material filtrante da máscara filtra o ar que está sendo inspirado, enquanto a válvula permite que o ar com partículas seja expirado através dela. Ou seja, um indivíduo contaminado estará expondo as pessoas com quem convive ao vírus.

A classificação das PFF reflete a eficiência de filtração do ar e segue as normas da ABNT/NBR, sendo indicadas para casos específicos:     

            PFF1: poeiras e/ou névoas;     

            PFF2: aerossóis termicamente gerados e/ou agentes biológicos;     

            PFF3: particulados altamente tóxicos e/ou de toxidez desconhecida.


E o que é N95? O respirador mais adequado para uso durante a pandemia é o PFF2, que apresenta eficácia de filtração de 94%. A classificação europeia utiliza de outro sistema de classificação, no qual a N95 representa o respirador com eficácia de filtração mínima de 95%. Portanto, as classificações são similares, sendo consideradas de proteção equivalente. Esses respiradores são descartáveis. Porém, alguns protocolos estão sendo avaliados e orientados para que haja reutilização dos mesmos de forma segura. Deve-se observar se a máscara continua íntegra e, após retirá-la, deixar em ambiente limpo e arejado até o próximo uso, com intervalo de pelo menos 3 dias. Essas máscaras não podem ser lavadas ou borrifadas com álcool, pois pode danificar o filtro.

Independente da máscara utilizada, o uso incorreto e descuidado é cada dia mais frequente e preocupante. Máscaras no bolso, jogadas no carro, sem contar as que são usadas no queixo ou somente na boca. Devemos buscar informações e seguir as orientações de uso de cada uma delas, buscando sempre uma boa vedação, filtração e manuseando com segurança.

Jaqueline Carneiro
Jaqueline Carneiro
PhD | Cientista

Farmacêutica, pesquisadora, professora, e co-fundadora do Rigor Científico, encontrou na ciência um lugar no qual aplicar a determinação aprendida com os esportes. A beleza e a complexidade da Química Medicinal a fizeram seguir por esse caminho, que a levou até laboratórios de pesquisa e outros lugares do mundo. Ser professora era visto como um efeito colateral, até pisar numa sala de aula. Naquele instante, mais madura pessoalmente e profissionalmente, percebeu possibilidades de impactar vidas diretamente. Hoje sonha alto e quer trazer mais pessoas para o seu mundo de ciência.